O Totem da Paz ( parte 1 )

 

Há mais ou menos uns 15 anos eu li uma historia que nunca mais me saiu da cabeça. Falava sobre traição e honra. Era o relato de um jovem missionário que chegou a uma aldeia no sertão da Africa, onde as pessoas cultuavam, veneravam e valorizavam a traição. Quanto maior fosse a traição cometida, maior honra a pessoa recebia por ter planejado a traição com todo ardil e sagacidade.

Aquele jovem missionario chegou e começou a contar a historia de Jesus Cristo O Filho de Deus. Quando falou sobre a traição de Judas, as pessoas daquele vilarejo ficaram eufóricas. Começaram a aplaudir a atitude de Judas. Quiseram honrar Judas pela traição tão perfeita. Imagina ! Trair com um beijo !!! Esse Judas era O cara ….. foi o que eles pensaram.

O missionario ficou frustrado com aquilo e tentou explicar a eles que o herói da historia não era Judas e sim Jesus. Mas de nada adiantou.

A noite, em sua cabana, ele orou a Deus pedindo sabedoria para ensinar aos daquela aldeia sobre o amor de Deus através de Jesus e Seu sacrifício na cruz do calvário. Todas as noites, ele dizia em sua conversa com Deus no meio da oração: “Senhor, estou esperando Sua ajuda. Quando virá? “ Mas nada acontecia.

Semanas se passaram ate que um dia, logo cedo pela manha, o jovem missionario estava na porta de sua cabana, com uma caneca de café nas mãos, olhando para o rio que passava la embaixo depois do pátio onde ficavam as cabanas . Ele viu quando um bote se aproximou das margens e dois homens fortes, com aspecto de guerreiros, desceram do barquinho e subiram ate o pátio , trazendo algo enrolado em panos. Parecia ser um bebê, mas não dava pra ter certeza. Eles estavam um pouco longe. O jovem missionario se esforçou para ver o que era, mas o máximo que conseguiu ver, foi que aqueles homens estenderam aquele ‘pacote’ para o chefe da aldeia que estava em pé no meio do pátio. O chefe pegou o ‘embrulho’ e virando – se para um dos rapazes que estava próximo, entregou a ‘encomenda’ a ele.

Os homens trocaram algumas palavras e o rapaz que agora estava segurando o ‘montinho de pano’ saiu andando apressado em direção a uma das cabanas. Logo depois este mesmo rapaz saiu carregando um bebe em seus braços. Ele reconheceu. Era a criança que nascera a poucas semanas, primeiro filho de uma jovem esposa. O homem que carregava a criança em seus braços era o pai do bebê. Atras dele saiu gritando e aos prantos, a mãe da criança recém nascida. O choro dela era desesperador e doía na alma de quem ouvia. Mas o pai do bebê seguia firme sem olhar para tras.

Quando chegou perto dos guerreiros que haviam descido do barco, ele entregou a criança para eles e só então abraçou a esposa, mãe da criança. Aqueles guerreiros que haviam chegado no barquinho, viraram – se e desceram ate o rio. Entraram no bote e lentamente foram subindo rio acima remando com toda calma. A mãe do bebé já não chorava mais, apenas gemia baixinho, sentada no chão de terra batida, soluçando com um olhar perdido e sem esperança.

Aquela cena intrigou o jovem missionario que esperou apenas alguns minutos e foi falar com o ‘professor’ da aldeia. Perguntou a ele o que havia acabado de acontecer e então o ‘professor’ começou a explicar dizendo: Esse bebezinho que chegou aqui hoje trazido por aqueles guerreiros é o Totem da Paz.

Vendo a cara de confuso do jovem missionario, o ‘professor’ então o convidou a sentar-se e começou a explicar , escolhendo as palavras com todo cuidado.

…. continua na proxima postagem

 

Publicado em Léia Miranda | 7 Comentários

Isso sim é Natal !

Ah, se os homens compreendessem o sentido real do Natal …!
Se todos se amassem com igualdade, tivessem o amor, a caridade,
o mundo não seria tão desigual.

Natal é quando você ora, quando dobra os joelhos e chora
as lágrimas do seu irmão,
que passa por você e mendiga um teto,
um pedaço de pão.

Natal é nascer todo dia, é doar-se em gestos de amor,
é ser o sol que aquece ao irmão que adormece,
sem teto e sem cobertor.

Natal é ser o alento da criancinha faminta,
que lhe estende a mão com um olhar de dor
De olhos marejados ela suplica calada,
apenas um pouco do seu amor.

O Natal é todo dia, quando se dá alegria,
quando você é uma luz,
iluminando os caminhos, com todo cuidado e carinho
em comunhão com Jesus

Natal é viver plenamente, é ter sempre na mente
e bem dentro do coração
Que ajudar seu irmão a carregar sua cruz,
este sim é o Natal verdadeiro, é esse o Natal de Jesus !

( autor desconhecido )

Publicado em Léia Miranda | 5 Comentários